A leitura de histórias não só apoia a construção de sentido em torno da escrita, como também enriquece a interacção da criança com a leitura” (Mata, 2008, p.80).

Sabia que nas crianças a aprendizagem sobre a escrita começa precocemente antes de qualquer ensino formal? Em idade pré-escolar? A criança a partir do momento em que adquire a linguagem assume um papel central no seu próprio desenvolvimento, pois ela é activa e participativa no mundo que a rodeia. Ela vai assim construindo o seu próprio conhecimento à medida que explora o meio em que vive. Tendo isto em conta, as actividades de leitura e escrita contextualizadas na realidade da criança constituem-se como actividades de extrema importância, pois permitem uma fonte de exploração e de tomada de consciência sobre as características do código escrito. Esta tomada de consciência surge assim que a criança inicia o contacto com a linguagem escrita.

Diversos trabalhos de investigação sobre a leitura de histórias têm sido realizados. Estes trabalhos têm vindo a demonstrar que esta prática assume uma importância central, não só antes da entrada para o 1ºano – início do ensino formal da aprendizagem da escrita – como também ao longo da escolarização da criança. É indiscutível e de largo consenso a importância que a leitura de histórias assume quando se constitui como uma actividade regular, sendo uma actividade agradável e que proporciona interacções, vivências, partilha de ideias e de concepções. Ouvir e contar/ler histórias permite que as crianças interajam enquanto ouvintes e enquanto contadores de histórias, promovendo em ambos os casos capacidades de ouvinte, de leitura e de compreensão. É por isso considerada uma actividade rica e completa. Eis alguns aspectos que a vivência da leitura de histórias promove, segundo Mata (2008):

  • Oportunidade para ouvir leitura fluente
  • Alargamento de experiências
  • Desenvolve a curiosidade pelos livros
  • Aprendizagem de comportamentos de leitor
  • Apoia o desenvolvimento de conceitos sobre a escrita

Ainda que fora do contexto escolar, as crianças aprendem muito sobre a escrita através da leitura de histórias. Aprendem que o mesmo texto aparece associado à mesma mensagem independentemente de quem o lê – a mensagem é sempre a mesma e aparece sempre na mesma ordem. A leitura de histórias permite, ainda, que as crianças se apercebam da orientação da escrita (da esquerda para a direita, e de cima para baixo) e das relações entre o oral e o escrito (quando o leitor aponta para o que está a ler), e ainda que as palavras se escrevem sempre da mesma maneira ao longo do texto, podendo a mesma palavra aparecer várias vezes sempre escrita da mesma maneira. Por fim, a leitura de histórias facilita o reconhecimento das letras e dos sinais de pontuação, de uma forma integrada e contextualizada, e que faz sentido.

Wells (1988, 1991), um dos primeiros autores nas investigações sobre a leitura de histórias, debruçando-se na frequência de leitura de histórias, identificou uma associação positiva entre a frequência e os conhecimentos sobre literacia das crianças aos 5 anos de idade. E identificou igualmente uma maior compreensão na leitura nestas mesmas crianças aos 7 anos. Nesta mesma linha de investigação, também Sénéchal e LeFévre (2002) identificaram associações positivas entre os hábitos de leitura de histórias em crianças de idade pré-escolar com o seu vocabulário nessas idades, tendo mais tarde avaliado os níveis de leitura dessas mesmas crianças no 3ºano de escolaridade. Concluiu-se assim que as crianças cujos hábitos de leitura de histórias eram mais frequentes apresentavam maiores níveis de leitura no 3ºano.

Os estudos descritos vieram assim enfatizar a importância da leitura de histórias em idades pré-escolares, sendo esta actividade considerada como importante e significativa, uma vez que permite e facilita não só o desenvolvimento precoce de algumas competências de literacia, como também se constitui uma base de motivação para a aprendizagem da leitura e da escrita, pelo seu carácter lúdico. Isto porque a partilha precoce com a linguagem escrita cria oportunidades às crianças de questionarem, de contactarem, de reflectirem, e obterem respostas e informações sobre a linguagem escrita, que vão permitir uma maior e melhor compreensão sobre as particularidades, potencialidades, e funcionalidades do escrito (Mata, 2004). Ler para as crianças é uma das melhores formas de encorajar a emergência e o desenvolvimento das capacidades literárias. Estas experiências de leitura têm vindo a mostrar que providenciam múltiplos benefícios (Zeece, 2007).

A escolha do livro também é algo a ter em conta e que carece de algum cuidado. Acima de tudo, o livro deverá tratar de um tema que seja do agrado da criança e que seja igualmente adequado ao seu contexto. Deve conter imagens coloridas e variadas, e inicialmente devem escolher-se livros com pouco texto. Mas à medida que a criança progride na leitura, devem escolher-se livros com texto mais longo, para ouvir, ler e para descobrir sílabas, palavras e frases (Mata, 2008).

Foi assim exposta a importância da leitura de histórias, sendo esta uma actividade extremamente rica, pois permite a relação do oral com o escrito, promovendo nas crianças capacidades na leitura, de compreensão do escrito e um desenvolvimento ao nível do vocabulário.

Madalena Ferreira de Lima | Psicóloga Educacional, para Up To Kids®
Todos os direitos reservados

imagem@cmeimarcelino.blogspot.com

Publicado por Passo a Passo

"Sabe-se que as pessoas com deficiência | dificuldade e as suas famílias têm maior risco de desvantagem social e é a pensar neste quadro actual da sociedade que desenvolvemos este projecto. Pretendemos promover um conjunto de serviços que abracem todas as vertentes da vida da pessoa e suas famílias - desde serviços clínicos, educacionais e de lazer - de forma a colmatar as dificuldades sentidas por estas. Pretendemos ser vistos pelas famílias como um serviço de confiança, dedicado e de qualidade, que trabalha em conjunto com estas para o seu bem-estar. Pretendemos destacar-nos pela eficiência, seriedade e elevada especialização dos técnicos, e por um serviço capaz de estabelecer com as crianças/jovens e suas famílias uma relação fiável, pautada pela confiança mútua." -Os fundadores- O PASSO A PASSO | Centro de Desenvolvimento é um espaço novo em Lisboa, fundados por sete profissionais da área da saúde, que se juntaram por acreditarem na criação de um espaço único onde estejam reunidos um conjunto de serviços capaz de responder a todas as necessidades não só da criança como também da família. ALERGOLOGIA | CIRURGIA PEDIÁTRICA | CME | FISIATRIA | FISIOTERAPIA | GENÉTICA | NEUROPEDIATRIA| NEUROPSICOLOGIA | NUTRIÇÃO | ORTOPEDIA PEDIÁTRICA | OTORRINOLARINGOLOGIA | PEDIATRIA | PEDOPSIQUIATRIA |PSICOLOGIA | SALA DE AVD’S | SERVIÇO SOCIAL | SNOEZELEN | TERAPIA ASSISTIDA POR CÃES | TERAPIA DA FALA |TERAPIA OCUPACIONAL ACTIVIDADE MOTORA ADAPTADA | BABYSITTING | GRUPO DE PAIS | ORIENTAÇÃO ESCOLAR E VOCACIONAL | PRÉ PARTO & PÓS PARTO | PROJECTOS PARA ESCOLAS | WORKSHOPS Pretendemos levar os nossos serviços a todos os contextos da criança e família, de forma a realizar um trabalho em parceria com todos os seus intervenientes. Avaliamos cada caso para darmos a resposta mais adequada à criança e à sua família, pelo que poderemos atuar no nosso Centro (em Lisboa), na escola ou ao domicílio. O centro, localizado no Lumiar, é composto por 5 gabinetes médicos e terapêuticos, 2 ginásios terapêuticos, 1 sala de snoezelen e 1 sala de treino de actividades da vida diária, além das instalações sanitárias, recepção e sala de espera.