Pais presentes criam filhos independentes e autónomos

Tão interessante perceber que o que os pais mais querem é filhos independentes e autónomos. Querem que façam as coisas por eles, que não dependam de ninguém. Querem que não estejam atrasados no desenvolvimento. Que não haja nada de errado quando parece que já deviam ter dado aquele passo ou ter dito aquela palavra.

O foco está todo em forçar a independência. E “forçar” é a palavra-chave aqui, que advém das nossas crenças. Da forma como nos sentimos perante a “dependência” e que nos leva agir de uma forma, por vezes, até inconsciente na relação com as crianças. Se a relação tiver um começo que é a dependência e um fim que é que independência, um fim como sendo um objetivo, o nosso foco está, na maioria das vezes, nessa independência.

E na verdade, famílias, o foco deveria estar nas seguintes perguntas:

O que eu posso ser agora para o meu filho para que ele venha a ser independente de uma forma saudável?

O que é necessário para que ele sinta que tem os recursos todos para ser quem é?

Quando nos focamos apenas no quer ser independente, estamos com toda a nossa atenção no futuro e a forçar o desenvolvimento da criança. Fora do ritmo da criança. É, por exemplo, quando pegamos o bebé pelos braços para ele começar andar, quando ele ainda não demonstrou sinais para o fazer. É o que fazemos quando começamos a forçar as palavras, sem que a criança comece a fazer sons com a voz. Com isto, não significa que o melhor seja não interagir com a criança. A diferença que eu quero reforçar aqui, é o quanto é importante estarmos presentes no agora.

Como?

Observando como estou a sentir-me. Reconhecendo, observando a criança, sendo um canal facilitador para o seu desenvolvimento, como as margens de um rio que vai desaguar no oceano.

Maria Montessori

Maria Montessori tem uma frase que ajuda a perceber esta questão: “ajuda-me a crescer, mas deixa-me ser eu mesmo”. Montessori diz que a criança nasce com um mestre interior. Uma vozinha que lhe diz o que precisa de fazer naquele momento. E essa vozinha, muitas das vezes, devido ao nosso ego, à falta de conhecimento, é lhe dito que não tem espaço para se expressar. É o exemplo da criança que quer subir as escadas e os pais acham extremamente perigoso. Neste caso, é necessário apenas que o adulto esteja a suportar aquilo que a criança quer fazer naquele momento.

O que seria se permitíssemos que a voz da criança se expressasse mais?

Para existir independência da criança, é necessário que haja uma dependência que lhe transmita segurança. Uma base de sustentação, um espaço único de expressão, de liberdade para ser quem ela já é.

A dependência e a independência fazem parte do mesmo círculo. Vivem muito bem uma com a outra. E são necessárias à nossa existência saudável quando nos ajudam a expandir e a crescer.

 

image@ Lorri Lang por Pixabay 

Publicado por Cátia Pereira Dias

Nasci em Cascais no signo do otimismo e da expansão. Sou casada e as minhas origens são provenientes de uma família muito humilde e tradicional. Fui educada pela minha avó materna, no meio da natureza e como era uma criança de poucas palavras, o silêncio e o ouvir eram os meus melhores amigos. Sempre senti em mim a coragem de ajudar o próximo. Sentia que o caminho começava por mim, enquanto pessoa e como terapeuta e rapidamente percebi que esse caminho é para a vida toda. Porquê famílias? Porque é nas famílias que estão as chaves para abrir as portas do mundo, da felicidade, do bem-estar, da alegria, da compaixão. Tudo começa em casa. Intenções alinhadas, sermos genuínos, alimentarmo-nos de forma consciente, conseguirmos recuperar energia para o nosso dia-a-dia, fazer missões em conjunto, é aqui que tudo começa. Acredito, que se algo está em desarmonia no indivíduo, também a família não está bem. Ajudando a família, ajudamos a pessoa. E ajudando a pessoa, ajudamos a família. Fruto deste acompanhamento, fundei o projeto "Vínculos Seguros" que pretendo levar a muitas famílias, desde da gravidez até aos primeiros anos de vida. Sobre a minha formação e experiência: Licenciada em Psicologia Social, Coach Parental certificada, Facilitadora Sénior de Parentalidade Consciente pela Academia de Parentalidade Consciente e Master Practitioner em PNL. Frequentei o curso "Montessori: Bases Teóricas, Práticas e Metodológicas" com Gabriel Salomão do Lar Montessori, e o curso "Peaceful Parent, Happy Kids Online Course" com a Dra. Laura Markham. Neste caminho de auto-descoberta fiz cursos em Mindfulness com a Mikaela Övén, no Centro Upaya e na Ser Integral (MBSR) e ainda o curso de Coaching assistido por Cavalos e Póneis, na Quinta do Cavalo de Kiron. Site: www.catiapereiradias Facebook : www.facebook.com/catia.pereira.dias.a Instagram: www.instagram.com/catiapereira.dias E-mail: catia@vinculosseguros.com

Junte-se à conversa

1 comentário